sexta-feira, 22 de maio de 2015

20 Edições Inesquecíveis da Dragão Brasil





Há muito tempo atrás, bem, não tanto tempo assim, antes que a internet se popularizasse como o meio no qual os jogadores  e mestres de RPG têm acesso a diversidade de material de apoio existente, havia a Dragão Brasil.

A Dragão começou a ser publicada ainda em 1994 pela editora Trama, depois de diversas mudanças e com a queda nas vendas a revista encerrou suas atividades no ano de 2008, totalizando quase 15 anos de existência e alegria para muitos amantes do RPG. 

Responsável pela introdução do hobbie na vida de muita gente, a Dragão continha em suas páginas histórias em quadrinhos, resenhas, notícias, adaptações diversas de filmes, animes e desenhos animados no geral, bem como dicas para mestres e jogadores. Além de tudo isso, a revista possibilitou ainda a publicação de contos de literatura fantástica, cenários e sistemas de RPG, estes últimos com um preço muito mais acessível os gigantes da época. 

Dada sua importância para os jogadores de RPG, O Falando de RPG registra aqui uma lista bastante pessoal de dez edições inesquecíveis da revista, antes de mais nada é sempre bom frisar que esta lista não é das melhores, muito menos se esgota nela mesma, você pode não concordar e isso seria até bom porque aí você escreveria um post semelhante e a nostalgia se espalharia como um vírus :D


Dragão Brasil Nº 1 ( Dragon) 

Esta foi a primeira edição da amada revista e como a primeira vez é inesquecível aqui estamos registrando-a como o grande marco que iniciou toda uma história. Nesta edição, encontramos o esforço da formação de um público e também da propagação do nosso amado Hobby. Nas páginas desta edição, aventuras, resenhas de livros, apresentação do D&D e uma dica do mestre ensinando como se tornar um RPGísta. 




Dragão Brasil Nº 4 

Seguindo o mesmo modelo proposto pela primeira edição, a revista chega ao seu quarto número. Esta edição se torna um marco principalmente por causa do seu artigo da sessão dica do mestre onde apresenta a sempre presente tensão entre Jogador X Personagem. Destaque também para o artigo sobre heróis diferentes em D&D e o bizarro clã Cainitech, uma espécie de vampiros biônicos. 

Dragão Brasil Nº 5

Mais um acerto crítico da Dragão Brasil está gravado nas páginas do seu quinto número. Assim como na última edição, a Dragão Brasil Nº 5 se torna um marco graças a  sessão dica do mestre com o artigo " A Morte dos Heróis" onde se é apresentado os prós e contras de matar um herói. Destaque também para a resenha do primeiro RPG nacional, o Tagmar. 





Dragão Brasil Nº 19

Já sob o selo da editora Trama, a Dragão Brasil no seu número 19 apresenta uma outra boa discussão, em sua sessão de dicas para o mestre, debatendo sobre as características do vilão. No entanto, o maior destaque desta revista está na apresentação das regras e diretrizes para os jogadores de vampiro encarnarem caçadores. 

Dragão Brasil Nº 26 

Mais uma vez a Dragão Brasil se torna inesquecível pelas suas dicas de mestre, dessa vez com um texto comentando sobre como lidar com advogados de regras em sessões de RPG. No entanto, o bom conteúdo da revista não acaba por ai, pois em suas páginas ainda encontramos uma adaptação das gárgulas para vampiro e fichas do Godzilla para vários sistemas, dentre eles o Ad&d.



Dragão Brasil Nº50 

Dar um salto temporal tão grande é difícil, mas necessário, pois esta edição foi de fato um grande divisor de águas na trajetória da revista e inaugurou a construção do seu primeiro cenário oficial, o Tormenta. O número 50 foi uma edição comemorativa que acompanhou o manual do cenário, um livreto de 80 páginas que marcou a vida de muitos mestres e jogadores que abraçaram o Tormenta como seu. 


Dragão Brasil Nº 58

Na sua quinquagésima oitava edição, a Dragão Brasil grava seu nome na história novamente ao trazer uma compilação de todo o seu material de ambientação produzido para o antigo mundo das trevas em um só livro, presenteado todos os amantes das criaturas da noite com um cenário brasileiro. 





Dragão Brasil Nº 60

Na edição Nº 60, a Dragão Brasil soprava velinhas comemorando o seus cinco anos de existência e publicação contínua e como já era de praxe, quem ganhou o presente mesmo foram os leitores com uma edição revisada do RPG Defensores de Tóquio que a partir de então ficou conhecido como 3D&T. 


Dragão Brasil Nº 65

Cinco números após completar aniversário, a Dragão Brasil traz outras grandes materiais as quais transformam a edição de Nº 65 em inesquecível. Em suas páginas encontramos a esperada notícia do lançamento da 3ed. do D&D, bem como, a classe do anti-paladino e também a sensacional matéria sobre os Lobisomens, uma adaptação para Trevas e Storyteller  do arquétipo clássico dessas criaturas macabras. 



Dragão Brasil Nº 74

O número 74 da Dragão Brasil também é memorável, nele se pode encontrar um mini-cenário chamado Mil e Uma Aventuras, uma adaptação do mundo islão e árabe para o RPG, além disso nos é apresentado o Sha'ir uma classe mágica que tem controle sobre um gênio. A revista ainda nos trás uma ótima dica do mestre debatendo como manter um jogo em um cenário histórico sem dores de cabeça. 

Dragão Brasil Nº 89

A edição número 89 foi a primeira que adquiri, na época eu estava jogando D&D e não tinha nenhum livro, mas a chama de narrar aventuras já me tomava, então vi a capa dessa revista e de todas ela se tornou a mais memorável para mim, pois acompanhava um mini-RPG do Conan :D, meus problemas haviam acabado. Infelizmente, nunca cheguei a jogar com essas regras, mas elas alimentaram meu sonhos. Além desse mini- RPG, a revista também trás um grande artigo sobre medo dentro do RPG.




Dragão Brasil Nº 97

Outra maravilhosa edição da Dragão Brasil, o número 97 trás uma adaptação do cenário Rokugan, ambientação do jogo mais popular de samurais do mundo o The Legends of Five Rings, para 3D&T, inclusive esse foi o período que eu tive grande vontade de jogar o 3D&T, algo que até hoje não ocorreu. Entre suas páginas também podem ser encontrados uma ótima matéria clássica sobre vampiros anciões e para completar este registro ainda destacamos dois ótimos artigos, o primeiro sobre os nomes dos personagens e o segundo sobre dicas de campanha.

Dragão Brasil Nº 98 

O número 98 quase não entrou nesta lista, apesar de ter uma ótima adaptação do filme Piratas do Caribe com talentos e uma nova classe básica. O motivo pelo qual entrou é bastante simples: mais uma vez um acerto crítico da sessão dicas de mestre com um artigo sobre como macetes de escritor podem facilitar a vida dos mestres





Dragão Brasil Nº 100

 Número comemorativo que com toda certeza tem que estar por aqui, afinal, só de faz 100 edições uma vez na vida. Nesta edição, os leitores foram presenteados com uma série de listas com cem itens cada, algumas muito boas, outras nem tanto, mas que de qualquer forma deixaram sua marca nessa centésima edição.


Dragão Brasil Nº 104

O número 104 da Dragão Brasil entra nesta lista graças aos seus artigos de dicas, um deles inclusive escrito pelo Tio Nitro. Em suas páginas encontramos uma discussão bastante interessante sobre o bem e o mal e suas nuances, além do artigo do Nitro sobre o guerreiro e suas possibilidades interpretativas. Fica ainda como menção honrosa a lista de magia para 3D&T do anime Slayer. 




Dragão Brasil Nº 112 

A edição Nº 112 entra nessa lista porque marca a primeira edição pós trio tormenta, na época a revista foi assumida pelo pessoal do portal RPG que a levou com todas as suas forças e com a mesma qualidade de antes até os seus últimos dias. 


Dragão Brasil Nº 118 

A edição número 118 marca a estreia do que seria o novo cenário oficial da Dragão Brasil, o Crônicas da 7ª Lua, bem diferente de seu antecessor, o cenário trazia um clima meio dramático com a morte dos deuses e também flertava com viagem planetária. Nesta revista ainda se pode encontrar um ótimo artigo sobre como mestra para iniciantes. 





AS TRÊS DRAGÕES ESPECIAIS MAIS INESQUECÍVEIS

                     


Para finalizar a lista, citamos aqui três edições especiais da Dragão Brasil. O primeiro fascículo trazendo o Defensores de Tóquio em sua primeira versão, o Terceiro trazendo o "modo avançado dos Defensores" e por fim a edição número seis com a primeira versão do jogo Trevas. 

Bem pessoal é isso espero que tenha gostado e não deixem de comentar 
Ah e se não conhecem nossa página no Facebook, acessem e curtam: https://www.facebook.com/FALANDODERPG




quinta-feira, 21 de maio de 2015

5 Livros de RPG Liberados para Download Gratuito







Olá pessoal, estamos de volta com mais um post e dessa vez trazemos uma lista de RPGs que podem ser baixados gratuitamente pela internet sem ferir nenhum direito autoral. Como todo bom mestre e jogador adorar ter uma gama de sistemas nem que seja apenas para ler, mas nem sempre tem a grana necessária para comprar novos jogos, resolvi fazer essa compilação.

Espero que gostem!


Bravos é um jogo narrativo que teve sua versão alpha disponibilizada pelo seu criador, o Júlio Matos. O livro é lindo, de uma qualidade impecável e só pelo plot já vale a leitura, segue logo abaixo, nas palavras do próprio autor a temática do jogo:

Bravos é um jogo onde os personagens são Pré-Adolescentes entre 10 e 14 anos. Sua pequena vila foi invadida por uma força maligna que aprisionou todos aqueles que eles amam, forçando-os a fugir em busca da ajuda de algum heróis para proteger sua cidade.
Nesta jornada os Bravos precisarão ficar unidos, usar sua bravura e vencer seus temores enquanto tentam se manter seguros.Seus laços lhes ajudarão em sua jornada, mas há perigosos e sanguinários perseguidores em seu encalço. 

AÇÃO

De acordo com um post de 2010 do blog RPGista o RPG Ação foi disponibilizado pelo seu autor de maneira gratuita e por isso figura nessa lista. Foi uma das primeiras adaptações brasileiras do sistema D20 e traz como temática a possibilidade de jogos com uma temática contemporânea, vendido como um bom jogo para iniciantes, o jogo foi vendido em bancas e ainda entregue algumas vezes de maneira gratuita com a compra da finada Dragão Brasil.


Microlite20 é uma versão super resumida do sistema d20 feita por Robin V. Stancey e traduzida para o português por Daniel "Nerun" Rodrigues. Sistema rápido, enxuto e perfeito seja para aventuras rápidas seja para campanhas longas, ideal para qualquer pessoa que não quer abrir mão do RPG, mas não tem mais tempo de se deter a longas preparações e regras mais encorpadas.


Mundo Perfeito, em minha opinião, é a obra prima do game designer John Bogéa, com um sistema elegante e uma ambientação de tirar o fôlego, que tem como referências obras como Matrix e Neuromancer, O Mundo Perfeito é um jogo perfeito para quem adora realidade virtual, distopia e cyberpunk. 


Outros Horizontes é um jogo de narração colaborativa, bem genérico e simples criado pela Shae Davidson e traduzido por Silas Lima da Fan Page RPGs Mínimos. Um jogo ideal para duas pessoas, mas que pode ser jogador por mais sem muito esforço, consiste em apenas duas páginas que apresenta tudo o que é necessário para se jogar. 


Um dos meus jogos favoritos do concurso Faça Você Mesmo da Secular Games e para minha alegria um dos vencedores da edição de 2014, Factum é um jogo narrativo, que consome exata uma hora de nosso tempo e permite a quatro jogadores narrar os últimos momentos da vida de um mago.

Se você gostou deste e de outros posts curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/FalandodeRPG

Bravos é um jogo onde os personagens
são Pré adolescentes entre 10 e 14 anos. Sua
pequena vila foi invadida por uma força maligna
que aprisionou todos aqueles que eles amam,
forçando-os a fugir em busca de ajuda de algum
Herói para defender sua cidade.
Nesta jornada os Bravos precisarão car unidos,
usar sua bravura e vencer seus temores enquanto
tentam se manter seguros. Seus Laços lhes
ajudarão em sua jornada, mas perigosos e
sanguinários perseguidores em seu encalço
Bravos é um jogo onde os personagens
são Pré adolescentes entre 10 e 14 anos. Sua
pequena vila foi invadida por uma força maligna
que aprisionou todos aqueles que eles amam,
forçando-os a fugir em busca de ajuda de algum
Herói para defender sua cidade.
Nesta jornada os Bravos precisarão car unidos,
usar sua bravura e vencer seus temores enquanto
tentam se manter seguros. Seus Laços lhes
ajudarão em sua jornada, mas perigosos e
sanguinários perseguidores em seu encalço

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Especialização para Space Dragon: KAMEN RIDER



Olá senhoras e senhores! 
Estamos de volta e trabalhando a todo o vapor, então podem esperar muitos e muitos post :D ! Hoje trago para vocês uma especialização para o jogo que estou narrando no momento, o Space Dragon. A especialização que vocês vão conferir logo abaixo é uma pequena adaptação do meu herói japonês favorito, o Kamen Rider, espero ter conseguido passar bem o clima do personagem nas estatísticas, mas enfim, sem delongas, aqui vai!



terça-feira, 19 de maio de 2015

FALANDO DE RPG: O RETORNO



Olá senhoras e senhores!!!!

Nós estamos de volta! Sim, o Falando de RPG retornou dos mortos muito por causa das pessoas que curtem, comentam e compartilham nosso conteúdo lá no Facebook ( ainda não curtiu nossa página? Corre lá https://www.facebook.com/falandodeRPG) uma turma que fez a página sair de 300 curtidas para mais de 1000 e que acabaram por me trazer o gás necessário para voltar para este espaço.

Sendo assim, aviso que voltaremos aos posts com dicas, acessórios achados na internet e suplementos autorais, além claro de algumas pitadas de humor, motivo pelo qual a página no Facebook cresceu tanto.

E para dizer que só fiquei no blá blá blá, eu deixo aqui um top 10 de posts encontrados em nossos arquivos para você já entrar no clima e saber o que vai encontrar ou reencontrar por estas bandas. 

Pensando em criar um mundo fora dos padrões tolkianos e orientais? Que tal dar uma olhada na mitologia indígena?

Precisando de alguns nomes, mas está sem ideia? Aqui está sua solução!

Quais são os elementos cruciais para tornar cenas memoráveis? Descubra em um dos nossos primeiros artigos

Cansado de jogos medievais voltados a exploração e assassinato de monstros? Que tal inserir elementos investigativos neles?

Como não desprotagonizar os jogadores? Neste post discutimos este assunto.

Se você não consegue fazer nada além de um bizarro boneco palitinho e mesmo assim que fazer as ilustras dos seus personagens, saiba que seus problemas acabaram

Gosta de Lovecraft? Gostaria de um jogo narrativo, rápido e gratuito sobre sua obra? Então clique no link e divirta-se.

Que tal um louvor sobre o privilégio de ser nerd? Saca aí e divirta-se

Uma discussão sobre a importância de sempre dar ao seu personagem uma boa história de início.

Achando difícil narrar em cenários bem estabelecidos como Senhor dos Anéis? Talvez esse artigo possa ajudar você

segunda-feira, 21 de abril de 2014

O Fim




Olá pessoal! Hoje eu venho aqui para me despedir. Isso mesmo. Este é o último post deste blog que tanta alegria me trouxe. Atualmente, tenho me empenhado em outros projetos, dentre eles o blog Revista Refletindo a Graça - um blog sobre cristianismo, bem como meu romance e outros projetos literários, o que tem me tomado muito tempo.
O fato é que ficou cada vez mais difícil falar sobre minhas experiências pessoais de RPG e trazer meu relatos de campanha, juntamente com alguns materiais e ótimos acessórios achados na internerd. A vida tem me afastado deste cunho mais pessoal no que toca ao RPG.
Apesar disso, e o irônico disso, é que este é o momento que mais tenho jogado RPG e estou muito feliz com isso, mas entre jogar e se dedicar a um blog inteiramente RPGÍSTICO há um grande abismo, que nestes tempos só tem aumentado.
Dessa maneira, venho anunciar o fim do Falando de RPG, sinto uma mistura de dor e alívio com a decisão que protelei por tanto tempo. Aqui temos um ponto final no meu blog mais bem sucedido. Contudo, ele ficará sempre no ar, ao menos no que depender de mim, para que sempre todo o material aqui produzido seja achado com um click.
Para os que me acompanharam, deixo o meu muito obrigado e também uma esperança. Eu estou indo, partindo desta casa, mas em breve haverá outra, com um perfil diferente é verdade, contudo, que me permitirá continuar neste mundo lúdico e ainda me abrirá as portas para unir meus projetos literários em um só lugar. Brevemente aparecerá um studio virtual, com uma pegada  lúdica e literária, estou me organizando para isso.
Enfim, chegamos ao último ponto da estrada. Foi bom e sempre vai ser bom. Amo cada um de vocês em Cristo, mesmos em conhecê-los pessoalmente, vocês são uma galera que comentários e visualizações me deram forças para sempre continuar a escrever, nestes anos de histórias e jogos. 
Obrigado amigos! Que Deus os abençoe e até a minha próxima casa!

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Savage Space. Cenário para Space Dragon Grátis





Olá pessoal! Hoje é sexta e mesmo ontem havido post, não poderia de deixar passar o começo do final de semana em branco. E neste comecinho de noite, trago para todos aqueles que como eu gostam do jogo Space Dragon um cenário completo em pdf.
Trata-se de um livreto chamado Savage Space que descreve o oeste sideral, um lugar ainda só recentemente explorado pelo capitalismo ferrenho dos impérios econômicos. Neste lugar, os personagens encarnarão a figura de exploradores e lutarão para conseguir sobreviver, alimentando sonhos de fortuna e heroísmo, enquanto enfrentam teias de mentiras, espionagens, conquistas e alienígenas.
Bem, espero que gostem, porque o material foi feito com carinho. Peço encarecidamente um favorzão, comentem turma! Preciso do feedback, pois se tudo der certo expando o conteúdo e quem sabe não consigo fazer sair um livro físico. 

Valeu e até a próxima povo! 


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Em Favor de um CA Crescente.


Olá pessoal!Este post era para sair amanhã, mas eu não aguentei, nas próximas linhas teço  uma réplica ao último post do blog Pontos de Experiência, que fala sobre CA decrescente. O referido post você pode conferir clicando aqui . E sinceramente, espero que você leia porque os argumentos do Diogo são bem interessantes, além disso este artigo partirá mais ou menos dos pontos propostos por ele.
Antes de mais nada, quero me localizar. Sou um jogador que começou com o mundo das trevas, depois passou para a fantasia medieval a partir de um sistema próprio de amigo, só mais tarde conheci D&D, mesmo período que comecei a desejar o Senhor dos Anéis sistema CODA. 
O que isso quer dizer? simples. Sou um iniciado no D&D a partir da 3ed., nunca joguei Ad&d, apesar de ter lido o First Quest e conhecer algumas coisas do Ad&d. Sou um jogador que fui apresentado de primeira ao sistema de ataque que até hoje mais gosto, mas isso não me impediu de ter dor de cabeça com os sistemas mais novos do D&D (leiam talentos e poderes posteriormente com advento da 4 ed.)
O fato é que as edições antigas me afastavam justamente por causa da CA negativa, sempre achei difícil, pouco prático e meio intimidadora, graças também a segunda parte desta dupla, o TAC0. Mas, quando vi o Old Dragon me apaixonei e aqui estou eu entre os escola véia.
Dito isso, gostaria de apontar cinco pontos diretamente ligados aqueles construídos por Diogo, vamos lá.

Mais facilmente entendível-  Seguir um padrão quantitativo progressivo torna as coisas mais intuitivas, consequentemente mais rápidas de serem entendidas o que, ao meu ver, agiliza um pouco mais o jogo com os novatos. Diogo também aponta a questão da CA decrescente apontar para categorias de armaduras, mas isso também é possível na CA crescente se dividirmos os bônus concedidos por categorias. Em relação a alteração por outros valores, acredito que inseri-los no cálculo da CA facilitou o jogo, deixou a matemática mais enxuta e possibilitou uma maior agilidade no esqueleto do combate.

Limites são possíveis e devem existir- Talvez este seja um dos calcanhares de aquiles do meu sistema de CA favorito, mas com toda certeza não é irremediável.  Ao limitarmos o acesso a itens mágicos de defesa, respeitarmos limites coerentes nos atributos e optarmos por jogos com medidas sóbrias nos bônus de defesa das armaduras, os limites surgem e uma CA 50 é potencialmente impedida. Agora, aqui tenho que dar o meu braço a torcer, não há como emular, pelo menos em minha ótica, aquilo que o Diogo chamou de distinção entre proteção natural e proteção sobrenatural.

Nada deve ser inatingível, em CA crescente o sobrenatural pode ser vencido- Se algo não deve ser enfrentado não deve ter ficha. Novamente, ressalto que se os limites forem respeitados, teremos grandes desafios, mas não pseudo desafios incapazes de serem transpostos. Nestes dois últimos pontos o Old Dragon mostra muito bem como as coisas devem ser.

Números em dezenas, mas não complexos- Discordo do Diogo totalmente aqui. Usar números negativos complexifica a matemática do jogo e de um jeito que acho chato e vagaroso. Quando temos CA ascendente a matemática simplifica e se os limites forem respeitados, o cálculo é absurdamente mais simplório.

Simplicidade- De fato, as crianças aprendem algo com a CA decrescente, mas isso não significa que uma CA ascendente não ensine também. Ensinam no mínimo um pensamento matemático mais acelerado, por mais que menos complexo. Além disso, sempre gostei das coisas simples quando se trata de diversão e como a CA crescente sempre aparentou mais simplicidade, fiquei com ela. Apesar disso,  reconheço que perdemos em elegância e charme, mas acredito termos ganhado em agilidade narrativa e combativa também.

Enfim, como disse o Diogo, este post só representa uma opinião pessoal e além disso propõe-se à ser um convite para um debate bom, como o post lá do Pontos de Experiência foi para mim, espero que gostem e até a próxima. 

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O Estigma e Os Mundos de Fantasia



Olá pessoal, tudo certinho com vocês? Espero que sim. Bem, depois de um hiato de duas semanas, graças aos meus outros projetos e ao mestrado, estou de volta com um novo post. Como ainda estou muito cheio das coisas do que ando estudando, resolvi escrever sobre um dos elementos da minha dissertação e pensar como ele seria operacionalizado em mundos fantásticos.
O aspecto que gostaria de expor e refletir é o estigma. Em termos rasteiros e tangenciais da sociologia, o estigma é uma espécie de marca- visível ou não- que reduz aquele que a tem a esta característica, geralmente desfavorável e negativa.
Em nosso mundo, as marcas estigmatizantes são diversas e estão desde uma sexualidade fora dos padrões normativos vigentes até traços étnicos, passando por gostos, religião e posse de algum sofrimento psíquico. Geralmente, a pessoa que obtém tal marca é impedida pelo meio social de praticar e exercer atividades normais, pois é geralmente entendida como perigosa, imprevisível e/ou incapaz. 
A ideia de excluir pessoas do convívio social por suas características não é nova e suas razões tem mudado durante os séculos. Mas, enfim, o que eu quero com isso é afirmar que acredito que um mundo fantástico, o estima pode ser bastante interessante como ferramenta do mestre.
No meu cenário, por exemplo, os magos são tolerados, contudo, a magia organizada e institucional é terminantemente proibida, o que acaba fazendo com que usuários de magia, que se organizem ou mesmo que tenham interesse de buscar mais conhecimento, recebam a marca de magos institucionalizantes e acabem por ser evitados como pessoas perigosas. Em outros lugares, a coisa é bem pior; ser mago já é motivo de ninguém ouvir ou falar com você.
Este é um exemplo bobo se olharmos a capacidade de campanhas densas que podem frutificar da ideia de exclusão e de marca estigmatizante. A vida de aventureiro é um ótimo elemento para ser estigmatizado, assim como, a raça, religião e outras tantas coisas...
O fato é que um mundo fantástico é um mundo plural em nível macro, mas não necessariamente no micro, onde a vila ou o baronato continua sobrevivendo sem se dar conta das tantas criaturas fantásticas, deuses e maneiras de expressar o amor existem fora de seus muros.
Por fim, deixo logo abaixo algumas características que acompanham uma pessoa estigmatizada.

  • O status de normalidade é perdido
  • Há uma crescente restrição a autonomia, limite do ir e vir e do exercimento de funções
  • Esfacelamento de relações afetivas
  • E crescente desconfiança, sendo assim encarados como perigosos e imprevisíveis  

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Parabéns Dungeons & Dragons

Olá pessoas! Hoje é sexta e sexta é dia de post, deixo então com todos vocês um poema em homenagem ao D&D, bem vamos ao poema.















O Dragão e a Masmorra

Há quarenta anos, surgiu terrível
Em fumaça e fogo, dragão horrível
Cheio de aliados feios e sinistros
Tornou heróis, inúmeros meninos

De várias cores se manifestou
Em todas as formas agradou
Lá na fortunosa Masmorra
Gritou à muitos garotos "monotonia morra!"

Em tardes de sábado com pipoca
Com dados coloridos e coca-cola
Nos domingos no lugar da bola
Gostosa época de venturas históricas

Quarenta anos mais se sigam
Muitas jornadas se repitam
Fazendo  feliz os imaginautas
Que ao redor da mesa riem em voz alta!


sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Conto: A queda de Valkíria 3

Olá pessoal! Hoje foi um dia bem difícil, mas consegui postar. Hoje trago para vocês um conto que escrevi faz um tempo, mas que ainda não tinha postado no Falando de RPG. Fiz ele para um concurso e acabei não sendo aprovado,  então resolvi colocá-lo no meu outro blog, o Fantástica Palavra, agora coloco ele por aqui.
Aproveito também para pedir que quem me acompanha pelo Falando me acompanhe por lá, para dar aquela força e ver o que ando fazendo no que toca a poesia e prosa. Então, espero vocês por lá e boa leitura, não esqueçam de comentar. Até mais. 



« Página Anterior Página inicial